vozes do sul

sábado, maio 29, 2010

"LULA O ANALFABETO"

FHC, o farol, o sociólogo, entende tanto de sociologia quanto o ex-governador de São Paulo e candidato, José Serra, entende de economia. Lula, que não entende de sociologia, levou mais 50 milhões de miseráveis e pobres à condição de consumidores; que não entende de economia, pagou as contas de FHC, zerou a dívida com o FMI e ainda empresta algum aos ricos.

Lula, "o analfabeto", não privatizou as estatais, como fez o FHC, e as fortaleceu, tanto que hoje a Petrobrás é a 2º maior empresa de Petróleo do mundo e caminhando para ser a 1º. Os tucanos, capitaneados pelo FHC e pelos ex-governadores José Serra e Aécio Neves, querem por que querem voltar ao poder, para doarem aos grandes amigos ("Mui Amigos") empresários, o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Petrobrás, Eletrobrás, BNDS, etc...

Lula, o "analfabeto", que não entende de educação, criou mais escolas e universidades que seus antecessores juntos, e ainda criou o PRÓ-UNI, que leva o filho do pobre à universidade.

Lula, que não entende de finanças nem de contas públicas, elevou o salário mínimo de 64 para quase 300 dólares, e não quebrou a previdência como queria FHC.

Lula, que não entende de psicologia, levantou o moral da nação e disse que o Brasil está melhor que o mundo. Embora o PIG - Partido da Imprensa Golpista, liderados pela Organizações Globo, Grupo Folha e Grupo Abril que entende de tudo, diga que não.

Lula, que não entende de engenharia, nem de mecânica, nem de nada, reabilitou o Proálcool, acreditou no biodiesel e levou o país à liderança mundial de combustíveis renováveis.

Lula, que não entende de política, mudou os paradigmas mundiais e colocou o Brasil na liderança dos países emergentes, passou a ser respeitado e enterrou o G-8.

Lula, que não entende de política externa nem de conciliação, pois foi sindicalista brucutu, mandou às favas a ALCA, olhou para os parceiros do sul, especialmente para os vizinhos da América Latina, onde exerce liderança absoluta sem ser imperialista.

Lula, que não entende de mulher nem de negro, colocou o primeiro negro no Supremo Tribunal Federal (Ministro Joaquim Barbosa, desmoralizado pelos brancos de olhos azuis), uma mulher no cargo de primeira ministra, e pode fazê-la sua sucessora.

Lula, que não entende de etiqueta, sentou ao lado da rainha e afrontou nossa fidalguia branca de lentes azuis.

Lula, que não entende de desenvolvimento, nunca ouviu falar de Keynes, criou o PAC, antes mesmo que o mundo inteiro dissesse que é hora de o Estado investir, e hoje o PAC é um amortecedor da crise.

Lula, que não entende de crise, mandou baixar o IPI e levou a indústria automobilística a bater recorde de produção e vendas.

Lula, que não entende de português nem de outra língua, tem fluência entre os líderes mundiais, é respeitado e citado entre as pessoas mais poderosas e influentes no mundo atual. Foi eleito o homem do ano de2009, e é favorito para ganhar o Premio Nobel da Paz em2010.

Lula, que não entende de respeito a seus pares, pois é um brucutu, já tinha empatia e relação direta com Bush - notada até pela imprensa americana - e agora tem a mesma empatia com Obama.

Lula, que não entende nada de sindicato, pois era apenas um agitador, é amigo do tal John Sweeny e entra na Casa Branca com credencial de negociador, lá, nos "States".

Lula, que não entende de geografia, pois não sabe interpretar um mapa, é autor da mudança geopolítica das Américas e do mundo.

Lula, que não entende nada de diplomacia internacional, pois nunca estará preparado, age com sabedoria em todas as frentes e se torna interlocutor universal.

Lula, que não entende nada de história, pois é apenas um locutor de bravatas, faz história e será lembrado por um grande legado, dentro e fora do Brasil.

Lula, que não entende nada de conflitos armados nem de guerra, pois é um pacifista ingênuo, já é cotado pelos Palestinos para dialogar com Israel.

Lula, que não entende nada de nada, de longe é o melhor que todos os outros. Tem uma aprovação popular de quase 88% dos brasileiros. +-170.000.000 (cento e setenta milhões) de brasileiros aprovam o seu governo.

Pense, o que este homem faria, se entendesse de alguma coisa?

Pedro R. Lima, professor
UERJ Economia

sexta-feira, maio 28, 2010

Gerra contra a democracia

"Guerra contra a Democracia" é um documentário de 2007 escrito por John Pilger e dirigido por ele mesmo e Christopher Martin

O documentário centra-se na intromissão dos EUA nos assuntos políticos da América Latina.
Descreve a participação da CIA nos golpes de estado contra Jacobo Arbenz na Guatemala e Salvador Allende no Chile. Também aborda o tema da situação econômica no Chile depois da ditadura de Augusto Pinochet, a ascensão de Evo Morales na Bolívia e o golpe de estado contra o presidente Hugo Chavez da Venezuela, em 1972, que teve a provável participação dos EUA, através da CIA."

"Guerra contra a democracia" foi premiado em Londres como o melhor documentário do ano e é um "must see" para todos os que desejam conhecer melhor as "operações sombrias" planejadas, financiadas e executadas pelo governo dos EUA contra países da América Latina.

Os EUA possuem mais de 700 bases militares espalhadas pelo mundo, tem fomentado, financiado e participado direta ou indiretamente em quase todas as guerras ocorridas no planeta no século 20.

Com a ascensão do petróleo como a mais importante matéria prima do século 20, os EUA tem operado ativamente em dominar política e logisticamente todos os países ricos em Petróleo.

Desde a nacionalização do petróleo na Venezuela por Hugo Chavez, os EUA tem trabalhado incessantemente em demonizá-lo.

Atualmente os EUA tem um "braço" militar instalado na vizinha Colômbia através de muitas bases militares e tem trabalhado em incitar atrito entre Venezuela e Colômbia, uma "política" condizente com o interesse dos EUA em desestabilizar o governo nacionalista e anti imperialista do presidente Chavez..

John Pilger, jornalista australiano, ganhador de muitos premios internacionais, tem uma carreira impressionante de trabalho como jornalista, autor, conferencista e detentor oito títulos de doutor Honoris causa de varias universidades.

____
Informações:
http://en.wikipedia.org/wiki/John_Pilger
Website oficial:
http://www.johnpilger.com/
______

1/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=OTLxq7a6GBM

2/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=WlLXwg5ZAr4

3/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=uB2zcXhUL2k

4/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=o5wXKMcRfvw

5/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=PVANJgIk3Ew

6/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=NOHa1VoAFFo

7/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=1wRE32Y3WhU

8/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=wwSbluxqrmU

9/9 - A Guerra contra a Democracia [Legendas pt-BR]
http://www.youtube.com/watch?v=kVPmiFKOFhU

domingo, julho 12, 2009

O operador do dem

Ligado ao partido, Aloysio de Brito Vieira comandava no Senado licitações investigadas pelo Ministério Público

Mino Pedrosa, Sérgio Pardellas e Hugo Marques

Um processo de oito volumes que tramita na 12ª Vara Federal de Brasília, em segredo de Justiça, revela um personagemchave que começa a jogar luz sobre a caixa-preta em que se transformou a primeira-secretaria do Senado Federal, controlada há uma década com mão de ferro pelo antigo Pfl, hoje DEM, responsável pela gestão de R$ 2,7 bilhões por ano. Trata-se de Aloysio de Brito Vieira, o “Matraca”, ex-presidente da Comissão de Licitação da Casa, que se tornou o operador de um esquema de desvio de dinheiro público e pagamento de propinas que funciona com a conivência ou participação de alguns senadores do DEM. Na tarde da quinta-feira 9, ISTOÉ apresentou documentos a um dos cabeças da organização que revelou como funcionava o esquema. Para fazer parte do pool de fornecedores do Senado, empresas eram obrigadas a pagar uma propina que, dependendo do valor do contrato, poderia chegar a 30%. “Só a empresa Ipanema foi obrigada a pagar R$ 300 mil reais por mês para o primeirosecretário Efraim Morais”, contou. A Ipanema Empresas de Serviços Gerais de Transportes Ltda., que recebia cerca de R$ 30 milhões porano pela terceirização dos funcionários da agência, jornal, rádio e TV da Casa, atuou no Senado até o final de março. Outras empresas como a Delta Engenharia Indústria e Comércio Ltda. e a Brasília Informática também teriam pago comissões a Efraim, segundo o participante do esquema.

HERÁCLITO FORTES
Primeiro-secretário desde janeiro de 2009, isolou Aloysio na gráfica, mas nomeou o primo dele como gestor de compras

ROMEU TUMA
Foi primeiro-secretário entre 2003 e 2004 pelo DEM, quando Aloysio comandava as licitações. Hoje está no PTB
MONTAGEM SOBRE FOTOS ROBERTO CASTRO, MURILLO CONST

MONTAGEM SOBRE FOTOS ROBERTO CASTRO, MURILLO CONST
ALOYSIO DE BRITO VIEIRA
Ex-presidente da Comissão de Licitação, está no Senado desde 1982 e é o personagem central do esquema

EFRAIM MORAIS
Primeiro-secretário de 2005 a 2008, é acusado de ter recebido R$ 300 mil mensais de uma prestadora de serviços
MONTAGEM SOBRE FOTOS ROBERTO CASTRO, MURILLO CONST

Durante a gestão de Efraim à frente da primeira-secretaria, o dinheiro desviado chegava às mãos do senador por intermédio do assessor parlamentar Eduardo Bonifácio Ferreira. Era ele quem levava o pacote com a dinheirama até o gabinete do senador democrata. A importância de Bonifácio era tamanha que ele detinha a chave do gabinete do primeiro-secretário. Bonifácio chegou a ser filmado e fotografado pelo serviço de inteligência da Polícia Federal, a partir do circuito interno de câmeras do Senado. Mesmo depois de perder o cargo de assessor, ele continuou com a chave do gabinete. Segundo detalhou à ISTOÉ o integrante do grupo, os pagamentos mensais eram feitos em cima das faturas dos contratos. Assim que a fatura das empresas chegava ao banco, o percentual da propina era automaticamente retirado.

MONTAGEM SOBRE FOTOS ROBERTO CASTRO, MURILLO CONST
CONTRATOS MILIONÁRIOS
Minist ério Público cobra devolução de mais de R$ 36 milhões de Aloysio e outros participantes do esquema no Senado

Ligado ao senador paulista Romeu Tuma (que foi primeiro-secretário pelo DEM e hoje é filiado ao PTB), Aloysio entrou no Senado como servidor efetivo em 1982 e trabalhou no setor de compras e serviços a partir de 1999. Em 2003 deixou a área formalmente, mas continua a manter contatos com as empresas fornecedoras. Em março de 2008, Aloysio assumiu outra área sensível na Casa. Pelas mãos de Efraim, foi guindado à presidência da comissão encarregada de cuidar da verba indenizatória. Ali, atestou as suspeitas notas apresentadas pelos senadores. Este ano, em meio à crise em que mergulhou a Casa, Aloysio foi acomodado, por orientação do novo primeirosecretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), numa pequena sala localizada na gráfica da Casa. Submergiu para sair dos holofotes. Mas o setor de compras pouco mudou de mãos. Sem alarde, seu sócio e primo Max Silveira Vieira foi nomeado por Heráclito na terça-feira 7, por meio do ato número 35 de 2009, para a Comissão de Gestão de Contratos.

MONTAGEM SOBRE FOTOS ROBERTO CASTRO, MURILLO CONST
LIGAÇÕES Nomeado por Heráclito, o novo diretorgeral do Senado, Haroldo Tajra, também é investigado

Aloysio virou diretor da Subsecretaria de Administração de Compras e Serviços em 1999. Antes comandou pelo menos cinco licitações na gráfica da Casa. “Fiz um trabalho benfeito, por isso fui alçado a diretor”, justifica. Em 2003, atuou na gestão dos contratos em parceria com o filho do então primeiro-secretário, o senador Tuma. Robson Tuma, o Tuminha, e passou a despachar no nono andar da Casa depois que perdeu o mandato de deputado. A ligação entre os dois, que no início era apenas profissional, redundou para uma amizade duradoura. Aloysio passou a ser frequentador assíduo das festas promovidas por Tuma em sua residência no Lago Sul. “Conversávamos, batíamos papo, nada demais. Fui uma vez ao aniversário do senador Tuma”, diz Aloysio. Depois que começou a operar a caixa-preta do DEM no Senado, Aloysio engordou seu patrimônio. Construiu uma mansão avaliada em R$ 2 milhões em Pirenópolis (GO), comprou apartamentos, carros de luxo, terrenos e, em sociedade com Max, um restaurante, o Unanimitá. “Gastei R$ 300 mil para fazer a reforma na casa. Esse é o valor dela”, afirma Aloysio. A família ainda tem um braço na área de informática: Vitor Guimarães Vieira, que, em 2005, durante a gestão de Efraim na primeira-secretaria, foi diretor executivo do Interlegis (portal dos poderes legislativos).

A capilaridade do esquema impressionou o Ministério Público, que denunciou Aloysio por formação de quadrilha, corrupção ativa e crimes da lei de licitações. ISTOÉ teve acesso à ação criminal. A associação criminosa, diz o MP, beneficiou pelo menos duas empresas: a Conservo Brasília Serviços Técnicos e a Ipanema Empresa de Serviços Gerais de Transportes. O MPF também denunciou Aloysio em ação civil de improbidade administrativa, na qual ele poderá ser condenado a restituir R$ 36,8 milhões ao Senado, por desvios nas licitações para contratação de veículos, de vigilância desarmada e para serviços de rádio e televisão.

MONTAGEM SOBRE FOTOS ROBERTO CASTRO, MURILLO CONST
TRÂNSITO LIVRE Eduardo Bonifácio, apontado como recebedor das propinas, manteve a chave do gabinete de Efraim, mesmo sem função

Mais uma vez a Ipanema faz parte da lista de réus. Na ação, os procuradores dizem que o operador do DEM fazia um “loteamento” das licitações entre as empresas. Outros dois funcionários do Senado, Dimitrios Hadjinicolaou, que trabalhou na Comissão de Licitação, e Bonifácio, o dono da chave do gabinete de Efraim, também são citados como integrantes da mesma quadrilha. “Aloysio e Dimitrios foram fundamentais na estrutura da associação criminosa”, escreveu a procuradora Luciana Marcelino Martins em sua denúncia.

As escutas telefônicas feitas pela PF, autorizadas pela Justiça, mostram o grupo fazendo acertos sobre as licitações. Uma das escutas, feita no dia 11 de abril de 2006, mostra que Aloysio sabia de um dos ajustes entre as empresas e, “em razão das vantagens que recebeu” da empresa Ipanema, omitiu-se de tomar providências, diz a procuradora. Em outra escuta telefônica a PF constatou que Aloysio e Dimitrios prestaram “informações privilegiadas” ao empresário Paulo Roberto de Souza Duarte, gerente comercial da Ipanema.

MONTAGEM SOBRE FOTOS ROBERTO CASTRO, MURILLO CONST
PARCERIA Robson Tuma atuou junto com Aloysio na gestão de contratos

Até a administração de Efraim, o DEM só comandava o setor administrativo do Senado, que era subordinado ao então diretor-geral indicado pelo PMDB, Agaciel Maia. Hoje, o ex-Pflcontrola os postos-chave. Haroldo Tajra, nomeado por Heráclito como novo diretor-geral, é primo de Jesus Tajra, primeiro suplente do senador piauiense. Haroldo, que tem suas raízes na Comissão de Licitação do Senado, também assessorou Efraim durante sua gestão à frente da primeira-secretaria. O primeirosecretário é o verdadeiro ordenador de despesas do Senado. Qualquer contrato acima de R$ 80 mil precisa da assinatura dele, daí a sua relevância estratégica na mesa diretora do Senado. Procurado por ISTOÉ, Efraim, segundo informação de sua assessoria, estava incomunicável no sítio Santa Luzia, no interior da Paraíba. Heráclito pediu que a revista encaminhasse as perguntas por e-mail, mas nenhuma resposta foi obtida até o fechamento desta edição, na sexta-feira 10, às 15h. As empresas citadas foram procuradas e preferiram aguardar a publicação da reportagem.

A liberdade de ação do DEM na primeira-secretaria, no entanto, pode estar com os dias contados. Um grupo de senadores decidiu enviar ao Ministério Público Federal uma representação pedindo auditoria em todos os contratos do Senado nos últimos quatro anos. Entre os senadores que tomaram a iniciativa de investigar os contratos estão José Nery (PSOL-PA) e Renato Casagrande (PSB-ES).

“Vamos fazer uma devassa nos contratos”, diz Casagrande. “A máfia dos contratos tem vínculo com as nomeações no Senado”, diz Nery. O senador do PSOL pediu as cópias dos contratos ao ex-presidente Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), mas até hoje o Senado não entregou os documentos. “Esses contratos são uma verdadeira caixa-preta e o DEM não pode ser proprietário da primeirasecretaria”, conclui Nery.

http://www.terra.com.br/istoe/edicoes/2070/artigo143909-1.htm

Gass: governistas temem fim de corrupção no RS

Diego Salmen

Líder do PT no Rio Grande do Sul, o deputado Elvino Bohn Gass atribui à "consciência" de seus colegas a resistência em assinar o pedido de CPI para investigar as denúncias contra a governadora Yeda Crusius (PSDB).
- Eles temem que a CPI desmonte esse esquema de corrupção no Rio Grande do Sul - afirma.

Leia também:
» José Aníbal: "Vamos desmoralizar CPI contra Yeda"
» Ameaçado de impeachment, vice do RS defende contrato
» MP não deve investigar denúncias contra Yeda, afirma Tarso
» Wenzel: Renúncia não está no vocabulário de Yeda
» Simon diz para Yeda se benzer e cobra Procuradoria

A coleta de assinaturas para a instalar a comissão na Assembléia Legislativa vem sendo feita pela deputada Stela Farias (PT). Até o momento, a proposta conta com a adesão de 17 parlamentares - incluindo dois do DEM, partido aliado da governadora.
No entanto, para se instalar a comissão no Rio Grande do Sul é necessário o apoio de, no mínimo, 19 deputados estaduais. E a base governista não parece disposta a ceder.
Os parlamentares alegam falta de provas contra a governadora, além de esperar a conclusão de um inquérito do Ministério Público Federal sobre eventuais irregularidades.
"Os argumentos (dos governistas) não valem", critica Gass. "Fatos contundentes estão sobrando. Quem não cumpre sua parte não pode cobrar do Ministério Público; a Assembleia Legislativa precisa fazer a sua parte, fiscalizar, e constituir as provas", diz.
Além disso a imprensa, segundo o deputado, tem sido complacente em relação às denúncias contra Yeda.
- Os fatos são tão relevantes que não tem como a impressa omitir. Mas no tempo do Olívio Dutra (PT, ex-governador do Estado), tinha manchetes mais fortes. Obviamente ainda há complacência frente o governo. Em outras conjunturas a imprensa estaria fazendo um debate maior - afirma.
Segundo a revista Veja, a procuradoria do Estado possui áudios que comprovariam doações de R$ 400 mil "por fora" na campanha para a eleição de Yeda, em 2006. Os montantes teriam sido entregues pelas empresas Alliance One e CTA-Continental.
Não foi a primeira denúncia, contudo.
Em meados de 2008, o vice-governador Paulo Feijó (DEM) divulgou diálogos em que o então chefe da Casa Civil, Cézar Busatto (PPS), sugere o uso de dinheiro público para bancar campanhas eleitorais. O episódio resultou na queda de Busatto e do secretário-geral do governo gaúcho, Délcio Martini (PSDB).
No último dia 6 de julho, o jornal Zero Hora publicou reportagem afirmando que o empresário Lair Ferst, acusado de ser um dos líderes da fraude que desviou R$ 44 milhões do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) gaúcho, encaminhou ao MPF um documento detalhando 20 irregularidades que teriam sido cometidas na campanha de 2006 e no início da administração tucana.
E nesta quarta-feira, 8, o Palácio do Piratini teve mais uma notícia ruim: servidores do Estado protocolaram um pedido de impeachment de Yeda. A conferir.

Terra Magazine

Bifurcação da humanidade

Por Leonardo Boff

Nos inícios do ano os vinte países mais ricos do mundo (G-20) se reuniram em Londres para encontrar saídas à crise econômico-financeira mundial. A decisão de base foi continuar no mesmo caminho anterior à crise mas com controles e regulações a partir de uma presença maior do Estado na economia. Os controles seriam pelo tempo necessário à superação da crise, a fim de evitar o colapso global e as regulações para restaurar o crescimento e a prosperidade com a mesma lógica que vigorou antes.

Esta opção implica continuar com a exploração dos recursos naturais que devastam os ecossistemas e fazem aumentar o aquecimento global e o fosso social entre ricos e pobres. Se isso prosperar dentro de pouco enfrentaremos crise da mesma natureza, pois as causas não foram eliminadas. Acresce ainda o fato de que os restantes 172 países (ao todo são 192) sequer foram ouvidos e consultados. Pensou-se em ajudá-las mas com migalhas. Efetivamente, toda a África, o continente mais vulnerável, seria socorrida com menos fundos que o governo dos EUA aplicou para salvar a General Motor.

O impacto perverso da crise sobre os países de baixo ingresso apresenta-se aterrador. Estima-se que, enquanto durar a crise, mais de 100 milhões de pessoas caiam cada ano na extrema pobreza e um milhão de postos de trabalho se perderão por mês. Tal fato fez com que o presidente da ONU, Miguel d’Escoto Brokmann, imbuído de alto sentido humanitário e ético, convocasse uma reunião de alto nível que reunisse os 192 representantes dos povos para juntos discutirem entre si a crise e buscarem soluções includentes. Isso ocorreu nos dias 24-26 de junho do corrente ano nos espaços da ONU. Todos falaram. Era impactante ouvir o clamor que vinha das entranhas da Humanidade: os ricos lamentando os trilhões em perdas de seus negócios e os pobres denunciando o aumento da miséria de seu povo.

Muitas vozes soaram claras: não bastam controles e regulações que acabam beneficiando os que provocaram a crise. Faz-se urgente um novo paradigma que redefina a relação para com a natureza com seus recursos escassos, o propósito do crescimento e o tipo de civilização planetária que queremos. Importa elaborar uma Declaração do Bem Comum da Humanidade e da Terra que oriente ética e espiritualmente o sentido da vida neste pequeno planeta.

Depois de um intenso trabalho previamente feito por uma comissão de expertos, presidida pelo Nobel de economia Joseph Stiglitz e com as colaborações vindas de quatro mesas redondas e da Assembléia Geral concertou-se um documento detalhado que ganhou o consenso dos 192 representantes dos povos. O perigo coletivo facilitou uma convergência coletiva, uma raridade na história da ONU.

O documento prevê medidas inéditas especialmente para salvar os mais vulneráveis sob coordenação de várias instituições internacionais, articuladas entre si. Mas, o mais importante é a apresentação de um programa de reformas sistêmicas que prevê um sistema mundial de reservas com direitos especiais de giro, reformas de gestão do FMI e do Banco Mundial, regulações internacionais dos mercados financeiros e do comércio de derivados e principalmente a criação de um Conselho de Coordenação Econômica Mundial equivalente ao Conselho de Segurança. Desta forma se presume garantir um desenvolvimento estável e sustentável.

O fato desta cúpula mundial é gerador de esperança, pois a humanidade começa a olhar para si como um todo e com um destino comum. Mas todas as soluções se orientam ainda sob o signo do desenvolvimento, o fator principal gerador da crise do sistema-Terra. Ele tem que ser trocado por um "modo sustentado geral de viver", caso contrário assistiremos à bifurcação da humanidade, entre os que desfrutam do desenvolvimento e os que são vítimas dele. Não chegamos ainda ao novo paradigma de convivência Terra-Humanidade, forjador de uma nova esperança.

O próximo futuro, dizia o Presidente da Assembléia, será pela utopia necessária que precisamos construir para permanecermos juntos na mesma Casa Comum.

[Leonardo Boff é do corpo de assessores do presidente da Assembléia da ONU e com este título participou dos trabalhos ai realizados].


Leonardo Boff

Terrorista de Israel e silêncio da mídia

Nos meses de abril e maio passado, a mídia hegemônica fez um baita escândalo contra a visita ao Brasil do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, que estava agendada há meses para assinar vários acordos comerciais de interesse dos dois países. A TV Globo chegou a dar destaque a um reduzido protesto da comunidade israelense no Rio Janeiro. Alegando compromissos eleitorais, o governo iraniano cancelou a viagem na última hora, o que foi comemorado como “uma vitória dos direitos humanos” pela mídia colonizada, ventríloqua dos interesses imperiais dos EUA.

Logo na seqüência, em junho, a mesma “grande imprensa” fez o maior escarcéu com o resultado das eleições no Irã, que garantiram 64% dos votos para Ahmadinejad. Ela amplificou a mentira de que a eleição fora fraudada. Nem o alerta de um diretor da “informada” CIA, confirmando a legitimidade do pleito, serviu para acalmar os ânimos colonizados dos barões da mídia. Eles não disfarçaram o temor com a rebeldia crescente do Irã, que coloca em risco os “valores ocidentais” e desafia o decadente imperialismo. Nos mesmos dias, o assassinato de dezenas de indígenas no Peru, um país vizinho, foi ofuscado pelas manchetes contra a “fraude” no Irã. Haja engodo!

Rechaçar a visita do ministro-terrorista

Agora, esta mesma mídia manipuladora silencia sobre a visita ao Brasil, em julho, de um dos maiores carniceiros da Israel, o ministro de Relações Exteriores Avigdor Lieberman. Neste caso, não há dúvidas ou suspeitas: Lieberman é um racista assumido, que prega descaradamente ações terroristas. O jornal Água Verde, publicado no Paraná, preparou um dossiê sobre esse asqueroso personagem que, evidentemente, não será reproduzido pela chamada “grande imprensa”. Vale à pena conhecer sua história, até para organizar, desde já, protestos contra a sua indesejada visita.

“Virá ao Brasil no final deste mês de julho o racista e terrorista israelense Avigdor Lieberman, ministro das Relações Exteriores de Israel, com a única tarefa de pressionar o governo brasileiro a romper relações com o Irã, país com o qual o Brasil tem ótimas relações comerciais. Em todo o país estão sendo organizadas manifestações de repúdio à vinda de Lieberman, um judeu sionista (racista) nascido na Moldávia.

Lieberman participou da quadrilha liderada por Ariel Sharon e responde a processos na Justiça por envolvimento com o crime organizado (Máfia Russa), incluindo tráfico de drogas. Ele é fundador do partido de extrema direita Yisrael Beitenu (“Israel é nossa casa”), que apoiou o atual primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em troca de cargos no governo. Entre as declarações racistas e criminosas do terrorista Lieberman destacamos as seguintes:


“Transformar o Irã num aterro”

- Em 1998, ele defendeu a inundação do Egito através do bombardeio da Represa de Assuã;

- Em 2001, como ministro da Infraestrutura Nacional de Israel, propôs que a Cisjordânia fosse dividida em quatro cantões sem governo palestino central e sem a possibilidade dos palestinos transitarem na região;

- Em 2002 o jornal israelense Yedioth Ahronoth publicou a seguinte declaração de Lieberman: “As 8 da manhã nós vamos bombardear todos os seus centros comerciais, à meia-noite as estações de gás, e às duas horas vamos bombardear seus bancos”.

- Em 2003 o diário israelense Haaretz informou que Lieberman defendeu que os milhares de prisioneiros palestinos detidos em Israel fossem afogados no Mar Morto, oferecendo, cinicamente, ônibus para o transporte;

- Em maio de 2004, ele propôs um plano de transferência de territórios palestinos, anexando os territórios palestinos e expulsando a população nativa;

- Em maio de 2004, afirmou que 90% dos 1,2 milhão de cidadãos palestinos de Israel “tinham de encontrar uma nova entidade árabe para viver”, fora das fronteiras de Israel. “Aqui não é o lugar deles. Eles podem pegar suas trouxas e dar no pé!”

- Em maio de 2006, ele defendeu o assassinato dos membros árabes do Knesset (Parlamento israelense) que haviam se encontrado com os membros do Hamas integrantes da Autoridade Palestina para discutir acordos de paz na região;

- Em dezembro de 2008, defendeu o uso de armas químicas e nucleares contra a Faixa de Gaza, afirmando que seria “perda de tempo usar armas convencionais. Devemos jogar uma bomba atômica em Gaza para reduzir o tempo de conflito, assim como os EUA atacaram em Hiroshima na Segunda Guerra”, afirmou em entrevista em jornal israelense Haaretz;

- Em junho de 2009, discursou no Knesset israelense ameaçando “transformar o Irã num aterro”, através do bombardeio do país com armas nucleares.

Lula e Dunga, dois fenômenos que não entendo

Um pouco de polêmica para apimentar o dia...

Ligo a TV, ou o rádio, e o que vejo é gente falando mal do Lula. Abro o jornal, idem. Na internet, a mesma coisa. Nas ruas, quem se aventura a dar uma opinião sobre o presidente, invariavelmente, só abre a boca para meter o pau. Conto nos dedos até hoje o número de corajosos defensores do atual chefe do governo que encontrei pelo caminho.

Mas aí sai mais uma pesquisa de opinião e está lá, novamente: Lula é o presidente mais popular da história. Uma aprovação que nunca se viu. Quase 80% dos entrevistados aprovam seu governo. Nossa!, Me pergunto onde estava aquela galera tão raivosa quando os entrevistadores do Ibope e dos outros institutos saíram às ruas com suas pranchetas.

E aí vou checar os resultados da Petrobras. Lucro recorde. Vou ver o que anda fazendo a Polícia Federal. Prendeu quase três mil colarinhos brancos nos últimos anos (se a Justiça soltou todos eles, é outro problema). Dou uma checada no Bolsa Família: 11 milhões de famílias recebendo ajuda e seus filhos comendo e estudando. Parto então para o PAC, que meus amigos dizem ser um programa eleitoreiro: R$ 30 bilhões investidos nos maiores bolsões de pobreza brasileiros, como o Vale do Jequitinhonha (MG), o sertão nordestino e as grandes favelas cariocas (Rocinha, Alemão etc). Vou ver o número de jovens carentes nas universidades: mais de 200 mil com bolsa gratuita.

"Que porcaria de presidente", escuto novamente na esquina.

"Um ignorante", ouço no elevador.

Falam dos escândalos. Do mensalão, mas ninguém conseguiu levar um só cara-pintada para a rua pedir o impeachment de Lula. Tentaram, e como tentaram, mas ninguém entrou na onda...

Aí penso no técnico da nossa seleção, outro judas malhado dia e noite no jornal, na TV e no rádio principalmente (pelos pseudo-comentaristas que só sabem ofender e não analisar, não é Gérson Canhotinha de Ouro?). Todo mundo fala mal do Dunga. O pior técnico do mundo, dizem.

Pois a seleção de Dunga também só ganha. Ganhou a Copa das Confederações, a Copa América, está nas cabeças nas eliminatórias para a próxima Copa do Mundo. E o técnico, além de acertar o time _ finalmante escalando nosso melhor centroavante, Luiz Fabiano, e nosso melhor goleiro, Julio Cesar _ ainda teve coragem para barrar o preguiçoso Ronaldinho Gaúcho.

Mas todo mundo fala mal do Dunga, assim como todo mundo fala mal do Lula.

"Dunga vai cair", sentencia alguém no boteco.

Reclamam até que o treinador da seleção, da mesma forma que o presidente da República e ex-metalúrgico, não sabe falar direito. Diz "nós vai" e "eles foi" (devem estar com saudades do Collor, que com toda a sua empáfia falava inglês e francês e acabou enxotado da Presidência).

Queixam-se também que Dunga e Lula tratam mal os jornalistas. Que pecado...

Mas eu não consigo falar mal nem de um nem de outro

Acho que devo estar ficando maluco...

Mídia oculta os desastres do Plano Real

Na semana passada, os jornalões decadentes e as emissoras privadas de televisão fizeram grande alarde para “comemorar” o aniversário do Plano Real. O desgastado FHC foi bajulado por vários articulistas e âncoras de TV, sendo apresentado como o “salvador da pátria”, que “estabilizou a economia e derrotou a inflação”. O ex-presidente Itamar Franco até saiu do limbo para criticar a excessiva exposição do seu ministro da Fazenda e para se assumir como o autêntico “pai do Real”. O tucano José Serra também ganhou os holofotes da mídia, numa nítida campanha pré-eleitoral.

No livro “Era FHC: a regressão do trabalho”, escrito em conjunto com Marcio Pochmann, atual presidente do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), argumentamos que o Plano Real não foi toda essa maravilha pintada pela mídia. A estabilização conservadora da economia causou recorde de desemprego, brutal arrocho de salários, precarização do trabalho e o desmonte das leis trabalhistas. Ela foi imposta com base na privatização criminosa das empresas estatais, na abertura indiscriminada da economia, na desnacionalização das empresas e na mais descarada orgia financeira. O Brasil se transformou no paraíso dos rentistas, dos especuladores.

“Afora os marqueteiros oficiais, todos concordam que o resultado final desta política de FHC foi um grande desastre. Nestes oito anos, o Brasil regrediu brutalmente nas relações de trabalho. Os milhões de desempregados, de brasileiros que subsistem no mercado informal, de precarizados e dos que perderam seus parcos direitos sentiram na carne os efeitos desta política”, afirmava-se na apresentação do livro, publicado em agosto de 2002. Dois meses depois, o presidente FHC seria rechaçado pelas urnas, o que evidencia que o povo brasileiro, diferentemente na mídia venal, não esqueceu os efeitos destrutivos e regressivos do Real. A mídia omite, mas o povo não é bobo!

quinta-feira, junho 12, 2008

Escândalos DEMOS-TUCANOS

Mercantilização da saúde
O PSDB entregou vários hospitais públicos à iniciativa privada, sob a camuflagem das tais Organizações Sociais de Saúde (OSS).
Elas administram os hospitais através dos contratos de terceirização, sem licitação ou controle do Tribunal de Contas.
Atualmente, já são 18 hospitais, três ambulatórios de especialidades e um centro de referência para idosos entregues para a iniciativa privada.
Além disso, o governo Alckmin cortou 170 mil cargos funcionais na área da saúde entre 1994 e 2006.

Pedágios caríssimos
Estudo do Ipea revelou que, entre 1995 e 2005, as tarifas cobradas nos pedágios paulistas subiram em até 716%.
O governo Alckmin privatizou as melhores estradas - com pistas duplas, canteiros centrais e situadas nas regiões mais ricas - e deixou as piores com o Estado.
As 12 concessionárias presenteadas pelo PSDB exploram apenas 3,5 mil quilômetros (16% da malha rodoviária), que constituem o filé mignon do setor.
Após a privatização, o número de pedágios disparou.
Em 1995, havia 11 pedágios; hoje, são 153 - sendo que apenas 14 estão sob controle estatal.
Na Rodovia dos Imigrantes, que tem apenas 58,5 quilômetros ligando capital ao litoral e possui um movimento anual superior a 30 milhões de veículos, a concessionária Ecovias cobra R$ 14,80 por automóvel.

Privatizações danosas
Desde a criação do Programa Estadual de Desestatização (PED), em julho de 1996, setores estratégicos da economia paulista foram "vendidos" a monopólios privados por preços irrisórios.
Sob a batuta de Geraldo Alckmin, presidente do PED, foram privatizadas entre outras a Eletropaulo, CPFL, Elektro, Cesp, Comgás, Ceagesp.
A alienação deste patrimônio rendeu R$ 35,6 bilhões.
Fepasa e Banespa foram federalizados antes de serem privatizados.
Os danos à economia foram brutais.
No caso do Banespa, ele possuía ativos de R$ 29 bilhões e patrimônio de R$ 11 bilhões. Mas foi "vendido" ao Santander por apenas R$ 7,05 bilhões.

Estado endividado
Todo este processo de desmonte foi feito sob o pretexto de que era preciso dar um choque de gestão para sanar a dívida pública.
Mas a situação financeira do Estado só piorou.
Os R$ 35 bilhões obtidos nas privatizações serviram para pagar juros. A dívida publica pulou de R$ 34 bilhões no início do governo tucano, em janeiro de 1995, para R$ 123 bilhões em março passado.

Apagão na energia
O desmonte do Estado teve efeitos devastadores na infra-estrutura, em especial no setor de energia.
Numa primeira fase, o governo fatiou as três estatais existentes, Eletropaulo, Cesp e CPFL, em onze empresas de geração, distribuição e transmissão de energia.
Na segunda, promoveu o leilão das empresas fragilizadas.
Essa política resultou nos famosos apagões entre junho de 2001 e fevereiro de 2002.
Os governos tucanos destruíram o sistema de energia construído desde os anos 50 e que havia alavancado a industrialização.
"Moeda podre", como o Certificado de Ativos, foi usada nos leilões.
Com a privatização, piorou a qualidade dos serviços.
No caso da CPFL, antes do leilão ela possuía 200 postos de atendimento no Estado; três anos depois, em 2000, eram apenas 30.

Escândalo dos demo-tucano
No dia 22 de novembro de 2005, após mais uma entre as inúmeras rebeliões ocorridas na Febem (Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor), o governador Geraldo Alckmin, ao invés de assumir a responsabilidade inerente a quem está há 11 anos a frente do governo do Estado de São Paulo e da administração da Febem, fugiu do seu perfil comedido e surpreendeu a todos criticando a atuação das entidades de direitos humanos, imputando a elas, mas especificamente a dois representantes dessas entidades, os "problemas" e a responsabilidade pela crise endêmica na instituição. Não satisfeito, também culpou o Judiciário e o Ministério Público pelo "excesso de internações". Ocorre que, dias antes, a Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) havia anunciado que aceitava as denúncias formuladas pelas entidades de direitos humanos e pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA. Pela primeira vez um caso do Estado de São Paulo (o campeão brasileiro de violações de direitos humanos) seria submetido à mais alta instância jurídica do Sistema Interamericano.
Lá estão custodiados mais de 1.400 adolescentes em 17 unidades. Desde de 1999, o atual governo estadual faz anúncios reiterados de regionalização do atendimento com a construção de pequenas unidades no interior, na grande São Paulo e no litoral. A cada onda de rebeliões surgem novas promessas, jamais concretizadas.
Em março de 2005 - em meio a uma das maiores crises da história da instituição - o governador prometeu inaugurar 41 unidades até o final daquele ano. Porém, até agora nenhuma obra está pronta, 17 unidades estão em pleno funcionamento. Mesmo as que haviam sido desativadas no primeiro semestre de 2005, voltaram a funcionar. Outras causas dos problemas cotidianos vividos na instituição são, de um lado, a ociosidade, torturas, maus-tratos e, de outro, total descontrole, com visitas íntimas irregulares, entrada de drogas e celulares.

Daniel Dantas será ouvido na 14° Delegacia de São Paulo
Agência Brasil
Mais um capítulo na novela da maior disputa societária da história do país. Novela que nasceu há mais de seis anos numa briga entre o maior acionista do banco Opportunity, Daniel Dantas, e seu ex-sócio em um dos negócios do grupo, Luis Roberto Demarco.
Esse micro-embate terminou por alimentar outras frentes de batalha. Daniel Dantas x Fundos de Pensão do Brasil e Daniel Dantas x Telecom Itália entre as mais ruidosas. Anos depois, desentenderam-se também Dantas e seu maior parceiro, o Citibank.
O delegado Marcel Luiz de Campos determinou que "seja novamente intimada a investigada Maria Regina Yasbek para formal indiciamento".
Maria Regina Yasbek é ex-mulher de Demarco. Em maio de 2001, já ex-mulher, instaurou-se esse inquérito na 14º para apurar o roubo de quatro mil e-mails do empresário Luis Roberto Demarco, dono da InternetCo Investments. À época o diretor de informática da empresa, José Luiz Galego Junior, foi indiciado por furto, invasão de privacidade e violação de sigilo telemático.
Demarco e a InternetCo pediram a reabertura, concedida pelo tribunal em 14 de fevereiro de 2005.
O indiciamento formal de Regina Yasbek é acompanhado de outra providência: "Havendo notícia nos autos de que o material interceptado (os e-mails de Demarco) foi utilizado pela empresa Opportunity em processo no exterior (Demarco X Dantas, na corte britânica das Ilhas Cayman).

As roupas da primeira dama Chuchu
Se forem mesmo 400 as peças doadas à dona Lu, desde que seu marido assumiu o Palácio dos Bandeirantes, em março de 2001, até o final de 2005, teremos um vestido doado a cada quatro dias. É tanta coisa, que Figueiredo declarou à Folha de São Paulo, em 26 de fevereiro, que "com o que já fiz, a dona Lu tem roupa para usar pelo resto da vida".
Façamos a conta. São 400 vestidos, com sete provas cada um, três croquis, estudos sobre o corpo etc. Preço pela media, R$ 4 mil vezes 400. Dá redondos R$ 1,6 milhão.

Globo Online 30/04/2006
O PSDB usou o fundo partidário para bancar despesas de viagem do pré-candidato do partido à Presidência, Geraldo Alckmin. Sob a justificativa de que os recursos são utilizados pelo ex-governador em atividade partidária, o fundo serviu para pagar o deslocamento do tucano em jatos particulares para que ele articule alianças. Levantamento do jornal O GLobo mostra que a utilização dos recursos coincide com viagens em que Alckmin não evitou fazer propaganda política antecipada, ferindo a lei eleitoral.
No último dia 15, numa viagem a Pernambuco para encontrar correligionários, o ex-governador não pediu votos - o que é vetado pela lei eleitoral - mas fez discurso de campanha e disse que estava disposto a recuperar a capacidade de investimento do governo.
"Descontinho" no aluguel de jato
Preferimos cobrar, mas demos um descontinho - disse Leão, informando que o deslocamento nesse trajeto não sairia por menos de R$ 105 mil.

João Arcanjo afirma que foi procurado por Antero Paes de Barros
Condenado a 37 anos diz que PSDB pediu dinheiro em 2002
HUDSON CORRÊA DA AGÊNCIA FOLHA, EM CUIABÁ (MT)
O ex-policial civil João Arcanjo Ribeiro, 55, condenado a 37 anos de prisão por comandar o crime organizado em Mato Grosso, afirmou ontem à Folha que o senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT) foi à sua fazenda em Cuiabá, em 2002, pedir dinheiro para a campanha eleitoral.
Em depoimento à Justiça em 2002, Luiz Alberto Dondo Gonçalves, ex-contador de Arcanjo, disse que a empresa Confiança Factoring liberou R$ 5,7 milhões para bancar a campanha de Antero por meio do Grupo Gazeta.
A operação teria sido um caixa dois. O senador tucano, que presidiu a CPI do Banestado, nega a acusação.
A Polícia Federal abriu inquérito para apurar o suposto caixa 2 do PSDB em 1998 a 2002.

Contradições recheiam depoimento do presidente da Nossa Caixa
Após intensa discussão entre os deputados da base do governo e da oposição para definir a condução dos trabalhos da reunião, o depoente, que chegou atrasado e acompanhado pelo líder do governo Edson Aparecido, deu início ao depoimento.
Os contratos de publicidade
O presidente começou seu depoimento afirmando à Comissão que soube dos vencimentos dos contratos com as empresas Colucci e Ful Jazz através do ex-gerente de marketing Jaime de Castro Júnior. "Apenas fui informado desta situação em 27 de junho do ano passado", alega Monteiro. Também falou sobre a comissão de licitação criada para investigar o caso em 29 de julho, demitiu Jaime por justa causa.
As empresas de publicidade ganharam a concorrência aberta pela Nossa Caixa em março de 2002, para gerenciar a verbas no valor de R$ 12 milhões à Colucci e R$ 16 milhões à Full Jazz durante o período de 18 meses. Após o término do contrato vigente, as agências continuaram a prestar serviços ao banco e receberam ajustes de R$ 18,3 milhões à Colucci e R$ 27,1 milhões à Full Jazz, até 2005.

Coordenador de Alckmin é acusado de ter vendido áreas hipotecadas em MT
Valor, 16/05/2006 - 20:00h
O coordenador do programa do candidato do PSDB a presidente da República, Geraldo Alckmin, João Carlos de Souza Meirelles, está sendo acusado pelo prefeito de Juruena, Bernardinho Crozetta (PPS), de ter "empreendido loteamentos no Centro-Oeste, na década de 1970, e de ter vendido áreas no município que estavam hipotecadas em garantias de empréstimos".
O prefeito considera Souza Meirelles como "persona non grata" e acusa o coodenador de Alckmin de travar o desenvolvimento de sua região.
"Depois de saber que ele era assessor do Alckmin, tentei contactá-lo várias vezes, mas ele não me atende. Estou pensando em ir a São Paulo e fazer um escândalo na televisão", disse o prefeito ao jornal Valor Econômico.
"Centenas de famílias compraram sem receber papéis. "

Escândalo dos demo-tucano
PERGUNTE ISSO AO ALCKMIN... QUE BANHO DE ÉTICA!
1) O senhor que promete um banho de ética, não percebeu que sua filha trabalhava com a maior quadrilha de contrabandistas de roupas, a Daslú?
2) O Senhor não percebeu que sua esposa recebeu 400 vestidos de luxo, em troca sabe-se lá de que, e depois, sem jeito, ela declarou que havia doado para instituições de caridade, o que foi negado pela instituição?
3) O senhor ao assumir o segundo mandato, afirmava que a segurança pública era o maior problema do Estado. Porque menosprezou o PCC, e permitiu que a população vivesse dias de pânico com os ataques?
4) O que o senhor acha a respeito dos secretários do seu Governo
negociarem com bandidos durante os ataques?
5) Enquanto Governador, por que a bancada de seu partido não permitiu a criação de nenhuma CPI, o senhor não acha que as CPIS são importantes?
6) Por que o senhor e seu partido privatizaram todas as empresas
estatais de São Paulo, como as estradas, que cobram pedágios astronômicos, com as empresas elétricas, o Banespa... Se assumir a presidência o senhor vai privatizar a Petrobrás como FHC fez com a Vale do Rio Doce, e até hoje ninguém sabe onde foi parar o dinheiro?
7) Se o senhor for Presidente, vai invadir a Bolívia com o exército e se
alinhar aos EUA, liderando a política de opressão aos povos da AL?
8) Por que o senhor gastava tanto dinheiro com publicidade numa revista insignificante, que por coincidência era de seu acupunturista?
9) Por que o senhor superfatura o pagamento para os empresários que exploram os restaurantes de comida a R$ 1,00, pagar mais R$ 3,50 por prato para o dono do restaurante, que tem uma clientela garantida de mais de 1.000 refeições por dia, além de algumas benesses do Estado, não é um assalto ao bolso do contribuinte?
10) O senhor que fala tanto em choque de gestão, por que está deixando um rombo de 1 bilhão e duzentos mil no estado de São Paulo, que pode levar
seu vice, Cláudio Lembo, para a cadeia?

Aerogeraldo
"O candidato tucano à Presidência, Geraldo Alckmin, gastou R$ 130 milhões com passagens aéreas e aluguel de veículos e aeronaves entre 2001 e 2005, quando governou o Estado de São Paulo. O valor, confirmado pelo Sistema de Gerenciamento da Execução Orçamentária do estado (Sigeo), seria mais do que suficiente para comprar um Airbus igual ao que a imprensa passou a chamar de 'Aerolula'. Ou seja: em apenas quatro anos, Alckmin gastou com deslocamentos mais do que o valor de uma aeronave cujo tempo de vida é estimado em 30 anos.

Durante o Governo do PSDB/PFL não tivemos a crise do Apagão.
José Jorge, na época, ministro das Minas e Energia do FHC e, hoje vice
de Alkimim, gerenciou com responsabilidade sua pasta.
http://veja.abril.com.br/busca/imagens/capa/2001/JPG380x490/1703.jpg
Privatizações importantes foram realizadas.
Transparência, seriedade e responsabilidade foram a tônica principal
em todas elas.
http://veja.abril.com.br/busca/imagens/capa/1998/JPG380x490/1573.jpg
Fui às ruas comemorar a Venda da Vale do Rio Doce.
O preço foi bem inferior do que valia, mas foi justo.
O interesse do Brasil ficou acima dos interesses pessoais.
http://veja.abril.com.br/busca/imagens/capa/2002/JPG380x490/1750.jpg
Nenhum assessor de FHC se meteu em atrapalhadas.
Eduardo Jorge, seu Secretário Geral foi um deslize mínimo, mas ele não sabia de nada.
http://veja.abril.com.br/busca/imagens/capa/2000/JPG380x490/1658.jpg
http://veja.abril.com.br/busca/imagens/capa/2000/JPG380x490/1661.jpg
Espionagens só surgiram no Palácio do Planalto pós 2003.
Graziano do PSDB e ex. Secretário de Alkimim errou, mas sem querer.
http://veja.abril.com.br/busca/imagens/capa/1995/JPG380x490/1420.jpg

O Banco Central teve atuação exemplar na gestão PSDB/PFL.
Francisco Lopes, presidente do Banco Central vendeu informações, mas o escândalo foi só bilionário.
http://veja.abril.com.br/busca/imagens/capa/2001/JPG380x490/1701.jpg
http://veja.abril.com.br/busca/imagens/capa/1999/JPG380x490/1596.jpg

Privatização da Vale do Rio Doce
CVRD vale hoje mais de U$100bi. Foi leiloada por R$3,3bi. A maior valorização de todos os tempos no mundo, ha ha ha!
A PROPINA FOI PAGA...
Relato de executivos diz que Benjamin Steinbruch pagou para Ricardo Sérgio ajudá-lo a levar a Vale do Rio Doce com dinheiro público no Governo FHC
David Friedlander e Expedito Filho La Costa/Revista ÉPOCA
O CERCO:
Confirmação das denúncias contra Ricardo Sérgio

Qual seria a repercussão dada pela Folha se o senhor Misilvan Chavier dos Santos, vulgo Parcerinho (PSDB), candidato a deputado estadual por esse partido em Tocantins, preso com meia tonelada de cocaína, fosse filiado ao PT? Não mereceria mais holofotes do que os dólares encontrados na cueca de um assessor petista no Ceará?

por Luciano Rezende*

"Choque de gestão" causa déficit e paralisia
Lula perguntou, Alckmin negaceou.
Mas deu na Folha de S.Paulo: o governo paulista reduziu em até 80% os investimentos em projetos de infra-estrutura e paralisou várias obras.
A matéria revela os efeitos do "choque de gestão" que o candidato tucano queria implantar no país.
Segundo a reportagem, "algumas das principais obras e projetos de infra-estrutura de transporte de São Paulo tiveram seu ritmo reduzido drasticamente ou foram até paralisadas pelo governo de Cláudio Lembro (PFL), que conta os dias para terminar o seu mandato... Os atrasos ou as interrupções dos investimentos... foram intensificados nos últimos meses e envolvem de rodovias do interior à expansão da rede sobre trilho da Grande São Paulo, do Rodoanel ao recapeamento das marginais Pinheiros e Tietê".
Ainda de acordo com o texto, "na metade do ano, Lembo enviou ofício a todos os secretários vetando novos investimentos e determinando 'redobrada atenção' e 'rigorosa austeridade nos gastos públicos'... Das obras em curso de recuperação ou ampliação de estradas, a Folha apurou que a redução do ritmo em diversos casos é de 80%".
Cadê o "gerente eficiente"?
Abandono da educação
A educação pública sofreu brutal regressão. O ensino médio hoje atende 25% da demanda de jovens entre 15 e 19 anos; de 1999 a 2005, as matrículas baixaram de 1.720.174 para 1.636.526; a taxa de reprovação pulou de 3,6% para 15,6%; e a evasão escolar já atinge a marca recorde de 7% ao ano.
Como forma de maquiar este desastre, o governo inventou a "progressão continuada", espécie de aprovação automática. Devido a esta maquiagem, há casos de estudantes analfabetos frequentando a quarta série.
O analfabetismo atinge 6,6% da população e há mais cinco milhões de analfabetos funcionais (18% dos paulistas acima de 15 anos).

Policiais Federais estouram caixa dois de Osmar e Alckmin no Paraná
Escrito no site: * Por determinação da Justiça Eleitoral, todas as informações sobre o caso José Carlos de Oliveira correm sob sigilo de Justiça e, portanto, foram retiradas do horaHNews, a pedido do Ministério Público - http://www.horahnews.com.br
A Polícia Federal apreendeu na manhã desta terça-feira, no hotel Siena, em Curitiba, bolos de dinheiro (reais e dólares) e uma arma, pertencente a José Carlos Oliveira, que estaria a serviço da campanha do senador Osmar Dias e Geraldo Alckmin.
A Polícia Federal está entregando neste momento o dinheiro e a arma à Justiça Eleitoral.
O homem da mala José Carlos de Oliveira chegou ao Hotel Siena no domingo à tarde.
Portava uma mala pequena e uma mochila e saiu uma única vez do quarto em que se hospedou, na tarde de segunda-feira.
Oliveira deixou o hotel na manhã desta terça-feira. Neste momento, um funcionário do hotel está depondo na Polícia Federal.

Alckmin quando governador de SP, em abril de 2003, nomeou para o comando do Departamento de Inteligência da Polícia Civil de São Paulo, ninguém menos que o Aparecido Laertes Calandra., vulgo capitão Ubirajara, torturador sanguinário da ditadura militar. Há mais de duas décadas que o delegado Aparecido Laertes Calandra foi identificado por ex-presos políticos como sendo o "Capitão Ubirajara", um dos comandantes das sessões de tortura praticadas nas dependências do Distrito Policial situado na rua Tutóia, na capital paulista.
Na década de 70 esta delegacia sediava o DOI/CODI, órgão criado pela ditadura militar para prender, torturar e assassinar os adversários do regime. Presos e presas políticas que sobreviveram às torturas praticadas naquele local jamais conseguirão apagar da memória os "métodos" utilizados pelo "Capitão Ubirajara". Muitos carregam ainda hoje seqüelas físicas e psíquicas, originárias das cruéis torturas a que foram submetidos por pessoas como Calandra.

Metrô desaba
Paulo Henrique Amorim
. Primeiro motivo - que concorrência foi essa, em que as quatro maiores empreiteiras do Brasil estão no mesmo negócio? Concorrência?
. Segundo motivo - o sistema que o Governo Alckmin adotou ("turn key") entrega TUDO às empreiteiras. As autoridades públicas - Metrô, Secretaria de Transportes, Governo do Estado - não dão o menor palpite sobre a obra. Nem a vigiam.
. Terceiro motivo - se der problema, como deu com a cratera, as empreiteiras avisam ou pedem ajuda ao Poder Público se quiserem.
. Quarto motivo - o sistema "turn key" não tem controle externo. Logo, é propício às maiores roubalheiras - SE os empreiteiros forem de má fé, o que não está absolutamente provado no caso da Linha 4.
. Quinto motivo - o sistema "turn key" fixa o preço e, se o empreiteiro entregar a obra antes do tempo, ele ganha mais dinheiro. Logo, SE os empreiteiros forem de má fé - o que não está provado -, podem querer acelerar a obra, em prejuízo da segurança.
. Sexto motivo - a construção da Linha 4 teve 11 acidentes em dois anos de trabalho. 11 acidentes!!! E ninguém foi processado.
. Sétimo motivo - o sistema de "turn key" que o Governador Alckmin adotou foi induzido pelos bancos estrangeiros financiadores. Ou seja, foi mais um capítulo da doutrina da privatização que o Presidente Fernando Henrique adotou e da qual Alckmin se tornou o mais fiel executor em São Paulo.

A lista de Furnas é autêntica
Desde junho de 2006, PF e MPF têm conhecimento de que a lista de Furnas não é falsa; porém, nada aconteceu
Dimas Toledo,o pivô da crise
Desde o final de 2005, circula pelo país um xerox da famosa e temida lista de Furnas, documento contendo uma relação de pessoas que teriam recebido propina do "caixa dois" arrecadado por Dimas Fabiano Toledo, ex-dirigente da poderosa estatal federal Centrais Elétricas de Furnas.

06/07/2005 - Fita envolve Alckmin em compra de voto
Diálogo telefônico entre os deputados estaduais Romeu Tuma Jr. (PMDB-SP) e Paschoal Thomeu (PTB-SP) sugere um suposto esquema de compra de votos na Assembléia Legislativa de São Paulo, envolvendo diretamente o governador Geraldo Alckmin (PSDB). O diálogo, gravado, ocorreu às vésperas da eleição do novo presidente da Assembléia Legislativa do Estado, vencida por Rodrigo Garcia (PFL) em 15 de março deste ano. A gravação foi divulgada hoje (6) em matéria da repórter Laura Capriglione no jornal Folha de S.Paulo.
Na conversa, Tuma Jr. tenta conquistar o voto de Thomeu para Garcia, que disputava o posto com o deputado Edson Aparecido (PSDB) – o candidato de Alckmin. Thomeu, na gravação, descarta o voto em Garcia e afirma que votará em Aparecido, alegando que Alckmin lhe prometera ajuda.

718/03 Candido Vaccarezza PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, para no prazo de 90 dias, investigar possíveis irregularidades no empréstimo conferido à ELETROPAULO.
D.O.E. 02/04/03 pag. 10

719/03 Vítor Sapienza PPS
Constituição de CPI,composta por 7 membros, para no prazo de 90 dias, investigar a guerra fiscal entre Estados.
D.O.E. 02/04/03 pag. 10
PSDB deixou rolar a guerra fiscal entre estados e o prejudicado foi SP: queda do PIB local, redução de empregos, desindustrialização e perda da competitividade por inação, tanto de Covas, qto da incompetência de Alkmim...

720/03 Jorge Caruso PMDB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, para no prazo de 90 dias, investigar o funcionamento das Casas de Bingo instaladas no Estado. D.O.E. 02/04/03 pag. 10

721/03 Jorge Caruso PMDB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, para no prazo de 90 dias, investigar possíveis irregularidades nas aplicações das multas de trânsito, denominadas “Indústria da Multa”
D.O.E. 02/04/03 pag. 10


722/03 Romeu Tuma PPS
Constituição de CPI, composta por 7 membros, para no prazo de 90 dias, investigar os problemas pertinentes ao futebol no Estado de São Paulo, sua prática esportiva, os clubes, a Federação Paulista de Futebol e as implicações comerciais e econômicas.
D.O.E. 02/04/03 pag. 10

723/03 Milton Vieira PSL
Constituição de CPI, composta por 9 membros, para no prazo de 90 dias, apurar o procedimento dos Cartórios de Notas, de Registro de Títulos e Documentos, de Pessoas Físicas e Jurídicas e de Registro de Imóveis existentes no Estado.
D.O.E. 02/04/03 pag. 10 (errata dia 04/04/03)

724/03 Milton Vieira PSL
Comissão Parlamentar de Inquérito, composta por 9 membros, para no prazo de 90 dias, apurar irregularidades praticadas por Indústrias de Medicamentos, os Laboratórios Farmacêuticos - nacionais ou multinacionais.
D.O.E. 02/04/03 pag. 10

725/03 Candido Vaccarezza PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias investigar possíveis irregularidades nos procedimentos adotados pelo Gov. do Est. de São Paulo relativo a compra de energia elétrica pela SABESP, CPTM e METRÔ.
D.O.E. 02/04/03 pag. 10

726/03 Milton Vieira PSL
Comissão Parlamentar de Inquérito, composta por 9 membros, para, no prazo de 90 dias, apurar as irregularidades praticadas pelas operadoras de saúde que infringem a Lei dos Planos de Saúde e o Código de Defesa do Consumidor.
D.O.E. 02/04/03 pags. 10 e 11

845/03 Antonio Mentor PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar a responsabilidade das autoridades responsáveis pela FEBEM, pela inexistência de medidas próprias ao equacionamento de seus problemas.
D.O.E. 04/04/03 pag. 9

847/03 Rodolfo Costa e Silva PSDB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar e apurar as graves denúncias relacionadas à contaminação do solo por metais pesados.

961/03 Campos Machado PTB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 45 dias, apurar a suposta ocorrência de uma indústria de invasões em terrenos urbanos e rurais no Estado, assim como o envolvimento de pessoas e organizações estranhas ao sistema de ocupação das áreas.
D.O.E. 10/04/03 pag 9

962/03 Campos Machado PTB
Constituição de Comissão Parlamentar de Inquérito, composta por 13 membros, com a finalidade de, no prazo de 45 dias, apurar a real situação do ensino superior praticado pelas instituições particulares, âmbito do Estado de São Paulo
D.O.E. 10/04/03 pag 9

976/03 Rodolfo Costa e Silva PSDB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar e apurar as graves denúncias de contaminações e degradações ambientais no ar, água e solo, que afetam o Meio Ambiente, bem como a população do Estado.
D.O.E. 11/04/03 pag 8

1.110/03 Donisete Braga PT
Constituição de CPI, composta por 11 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, apurar a situação de contaminação do solo do território do Estado de São Paulo, inclusive as 255 áreas já identificadas pela CETESB, e identificar soluções efetivas para recuperação do meio ambiente.
D.O.E. 24/04/03

1.169/03 Vinícius Camarinha PSB
Constituição de CPI, composta por 09 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, apurar e investigar as denúncias relacionadas a falta de fiscalização e conseqüentes danos ambientais no Estado, para garantir a proteção ao meio ambiente, combater a poluição em qualquer de suas formas e preservar as florestas, fauna e flora.
D.O.E. 27/04/03

1.381/03 Enio Tatto PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, apurar e investigar as graves denúncias relacionadas à possibilidade da TV Cultura, vir a fechar suas portas e sair do ar, causando perdas significativas à população de São Paulo.


1.382/03 Orlando Morando PL
CPI, composta por 7 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar possíveis desvirtuamento de verbas e doações, bem como, má gestão dos recursos financeiros da Fundação Padre Anchieta - TV - Cultura.
D.O.E. 08/05/03

1.883/03 Romeu Tuma PPS
Constituição de CPI, composta por 7 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar possíveis envolvimentos de policiais civis ou militares nos noticiados grupos de extermínios.
D.O.E. 06/06/03

2.498/03 Vaz de Lima PSDB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar e apurar práticas do abuso do poder econômico por parte das empresas prestadoras de serviços de transporte coletivo
D.O.E. 14/08/03

2.530/03 Alberto “Turco Loco” Hiar PSDB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar denúncias sobre contaminações ambientais, especialmente quanto aos lençóis freáticos.
D.O.E. 16/08/03 pag 8

2.756/03 Romeu Tuma PPS
Constituição de CPI, composta por 7 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar as denúncias veiculadas pela imprensa de exploração sexual, além da prática de crimes de estupro, corrupção de menores, exploração de lenocínio, prostitução infantil, pedofilia, formação de quadrilha, entre outros, perpetrados contra crianças e adolescentes.
D.O.E. 04/09/03

2.839/03 Wagner Salustiano PSDB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar e apurar práticas irregulares das operadoras de seguro.
D.O.E. 06/09/03

2.872/03 Orlando Morando PL
Constituição de CPI, composta por 5 membros, com a finalidade de, no prazo de 150 dias, apurar a real situação em que se encontra a prestação dos serviços públicos de telefonia celular , fornecido pelas diversas concessionárias/operadoras que atuam na região.
D.O. 11/09/03

2.873/03 Vítor Sapienza PPS
Constituição de CPI, composta por 7 membros, com a finalidade de, no prazo de 90dias, investigar a situação de transferência de verbas do SUS à Secretaria Estadual de Saúde.
D.O .11/09/03

2.874/03 Vítor Sapienza PPS
Constituição de CPI, composta por 7 membros, com a finalidade de, no prazo de 90dias, investigar a situação atual do transporte ferroviário no Estado.
D.O .11/09/03

2.948/03 Wagner Salustiano PSDB
Constituição de CPI, composta por 9 deputados, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar e apurar práticas irregulares das operadoras de telefonia.
D.O .20/09/03

2.965/03 Milton Vieira PSL
Constituição de CPI, composta por 09 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, apurar os procedimentos adotados pelos Institutos de Aferição de Audiência, especialmente o IBOPE, no que se refere à capitação de informações em domicilios de telespectadores consumidores, das classes Sociais A,B,C,D e E , bem como a transmissão das informações colhidas aos interessados.
D.O. 25/09/03

2.978/03 Emídio de Souza PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90dias, investigar irregularidades ocorridas na execução do trecho oeste do Rodoanel Metropolitano , desde a elaboração do projeto até a conclusão de sua execução.
D.O. 27/09/03
O caso, conhecido tb como "Roubo-anel" rendeu muitas notícias. O governo tucano-urubu "esqueceu" de fazer o estudo de impacto ambiental, EIA RIMA, super-faturou e o resultado está aí:
congestionamentos, poluição ambiental, obras paradas, falta de apuração dos responsáveis...
o de sempre!

3.589/03 Edson Gomes PFL
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 180dias, investigar a Empresa SPAL/Coca Cola por sonegação fiscal de ICMS por recolher tal tributo de maneira insuficiente e dumping na comercialização de seus produtos.
D.O 14/11/03

3.737/03 Marquinho Tortorello PPS
Constituição de CPI, composta por 9 deputados, com a finalidade de, no prazo de 90 dias. Investigar possíveis irregularidades na aplicação de multas por meios eletrônicos, nas rodovias estaduais.
D.O . 29/11/03

0012/2004 Edmir Chedid PFL
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar possíveis irregularidades na comercialização de veículos automotores pelas montadoras, frotistas e empresas locadoras, com posterior revenda a terceiros.
D.O .07/02/04

103/04 Vítor Sapienza PPS
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finlidade de, no prazo de 120 dias, analizar a comercialização e as perspectivas futuras para a produção de leite no Estado.
D.O . 13/02/04

105/04 José Dilson PTB
Constituição de CPI, composta por 7 membros, com a finalidadede, no prazo de 120 dias, investigar as possíveis irregularidades cometidas com relação à obsevância da Lei Federal nº 9.950/00, por parte de postos de combustíveis, que proíbe o funcionamento de bombas de auto serviço.
D.O . 16/02/04

TV Globo financia pensão alimentícia de FHC
(...) Renan teria recebido dinheiro de um lobista para pagar pensão alimentícia à jornalista Mônica Veloso, com quem teve uma filha fora do casamento. O caso guarda semelhanças com a relação extraconjugal do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso com a também jornalista Miriam Dutra Schmidt, que igualmente tiveram um filho. A imprensa, no entanto, excluiu a polêmica de sua pauta. (...) para abafar o escândalo, a repórter foi "exilada" na Europa à custa da TV Globo. Viveu confortavelmente com o filho e uma irmã, sobretudo em Barcelona, onde moraram num dos mais luxuosos bairros espanhóis.

106/04 Ítalo Cardoso PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, apurar as denúncias sobre a execução de 12 pessoas supostamente integrantes da facção criminosa, Primeiro Comando da Capital.

116/04 Nivaldo Santana PCdoB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar as reais causas da atual situação de precariedade no abastecimento de água da Região Metropolitana de São Paulo, as indefinições sobre os níveis de alerta grave dos reservatórios/indefinição início do racionamento de água promovido pela SABESP.
D.O . 19/02/04

142/04 Renato Simões PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar a violência policial no Estado.
D.O . 27/02/04

164/04 Marcelo Cândido Luiz C. Gondim PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar possíveis irregularidades nas obras de ampliação e reforma do Hospital das Clínicas "Luzia de Pinho Melo", bem como no processo de aquisição de novos equipamentos e na contratação de funcionários para o hospital, em Mogi das Cruzes
D.O .04/03/04

393/04 Romeu Tuma PPS
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, apurar eventual ocorrência de 1) fraude tributária contra a arrecadação do ICMS envolvendo a Telefonica.
D.O. 25/03/04

634/04 Simão Pedro PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar denúncias de irregularidades na CDHU.
D.O. 14/04/04
Goro Hama, o caixeiro do PSDB!
Enfim, sai um pedido desse MP tucanoide contra os desmandos dos tucanos
11/7/2007 - 14:42:14
http://www.aprovando.com.br/noticia.asp?id=11990
MP pede investigação de líder tucano na Assembléia paulista
O Ministério Público Estadual pediu nesta terça-feira (10/7) que Tribunal de Justiça de São Paulo investigue o líder tucano na Assembléia Legislativa, deputado Mauro Bragato (PSDB-SP). Segundo o procurador-geral de Justiça de São Paulo Rodrigo Rebello Pinho, a representação tomou como base investigações feitas pelos promotores de justiça.

641/04 Ana Martins e Nivaldo Santana PCdoB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar possíveis irregularidades no processo de mudanças da Educação ocorrido no âmbito dos cursos técnicos.
D.O. 15/04/04

1049/04 Alberto"Turco Loco" Hiar PSDB
Constituição de CPI composta por 9 Deputados, com a finalidade de investigar a eventual participação de agentes públicos em crime de "Pirataria", no Estado de São Paulo
D.O 07/05/04

1258/04 José Bittencourt PTB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de. No prazo de 90 dias, investigar, irregulatidades no sistema de multas, no processo de pontuação e suspenção da CNH e nos cursos de reciclagem nos CIRETRANS.
D.O . 28/05/04

1717/04 Marquinho Tortorello PPS
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar possíveis irregularidades na chamada "indústria da reciclagem"- na tecnologia de tratamento e reciclagem de óleos comestíveis, de origem animal e vegetal.
D.O 1º/07/04

1718/04 Marquinho Tortorello PPS
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar possíveis irregularidades nas operações dos Shopping Centers no âmbito do Estado de São Paulo que estejam maculando a Defesa do Consumidor e a perfeita arrecadação de impostos estaduais.
D.O 1º/07/04

2213/04 Beth Sahão PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar a corrupção, a sonegação e a renúncia fiscais no Est. de São Paulo.
D.O 25/08/04

2688/04 Mário Reali/Cândido Vaccarezza PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar aos Programas VIVALEITE e ALIMENTA SÃO PAULO de responsabilidade da CODEAGRO (Coordenadoria de Desenvolvimento de Agronegócios).
DO 26/10/04

173/05 Said Mourad PFL
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar a adulteração de combustíveis Estado de São Paulo.
D.O 17/02/05

1.127/05 Vicente Cândido PT
Constituiçlão de CPI, composta por 5 membros, com a finalidade de, no prazo de 180 dias, investigar a existência do CRIME ORGANIZADO NA ÁREA FISCAL.
D.O 02/04/05

1.500/05 Vanderlei Siraque PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar as supostas irregularidades na elaboração de boletins de ocorrência, com o objetivo de distorcer as estatísticas criminais do Estado.
D.O15/04/05
Pois é, o governador Serra acabou de "reajustar" os níveis de criminalidade do seu colega tucano-urubu antecessor, o Chuchu... De fato, estavam subestimadas: assassinatos, latrocínios, roubos a banco. A própria Febraban denunciou o fato.

1890/05 Giba Marson PV
Constituição de CPI, composta por 11 membros, com a finalidade de, no prazo de 120 dias, investigar e apurar danos ambientais no Estado de São Paulo.
DO 1º/06/05

1916/05 José Zico Prado PT
Constituição de CPI, composta por 09 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar irregularidades na contratação e na manutenção de contratos de obras das Linhas 4 - Amarela e 2 - Verde do METRÔ.
DO 03/06/05
Ah, essa foi a PPP de porteira fechada (turn key...). Nossa, foi bem antes daquele acidente do começo do ano, 18 meses antes...
Pois é, terceirizaram até a fiscalização do contrato. Deu no que deu: 8 mortos, milhões de reais perdidos, paulistanos sem metrô, paralisação de toda a obra por insegurança no trabalho...
Vai sair o laudo logo, logo (e o pior é que eh do IPT, que recebeu pela obra...).

Proposta de CPI rejeitada pelos tucanos-urubu na AL SP...
1917/05 Autor: Cândido Vaccarezza Partido: PT
Objeto: Constituição de CPI, composta por 09 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar a prática de tráfico de influências na contratação de leiloeiros e empresas para a realização de leilões da administração direta e indireta.
Fonte: Diário Oficial Estado SP - 03/06/05

1918/05 Romeu Tuma PMDB
Constituição de CPI, composta por 09 membros,no prazo de 90 dias, investigar irregularidades na prestação dos serviços de telefonia fixa e móvel e averiguar práticas lesivas ao Erário decorrente da má gestão fiscal.
Diário Oficial do Estado, 03/06/05
Após a absurda privatização das telefônicas, agora vemos sua piora, os aumentos abusivos, acima da inflação, como o verificado na migração de pulsos para minutos...

Guerra fiscal entre estados.
Há vários anos, centenas de indústrias saem de SP para pagar menos impostos em outros estados. GO, PR, MG, entre outros, foram beneficiados. Houve perda de capacidade produtiva industrial e boa parte das mercadorias voltam para ser vendidas em SP...
Mario Covas, velho tucano de boa estirpe, foi contra entrar no jogo e se manteve fora, não dando dinheiro, dessa forma, a empresas porque prejudicava a arrecadação e todos os serviços.
Há a necessidade de se debater isso, para pensar no futuro de SP.
No entanto, os tucanos-urubus do Chuchu vetaram mais essa CPI... Por que?
Por que no nível nacional, FHC incentivou isso?
Por que o PSDB GO e PR tinham interesse nisso?
Não sei, realmente não dá para entender!
1919/05 Giba Marson PV
Constituição de CPI, composta por 9 (nove) membros, com a finalidade de , no prazo de 90 (noventa) dias, investigar e apurar na área tributária e fiscal do Estado de São Paulo a fuga de empresas e indústrias do Estado como conseqüência da chamada "guerra fiscal" praticada entre os Estados.
Diário Oficial Estado 03/06/05


1989/05 Adriano Diogo PT
Constituição de CPI, composta por 9 (nove) membros, com a finalidade de , no prazo de 90 (noventa) dias, investigar supostas irregularidades no Sistema Psiquiátrico de São Paulo, compreendidas todas as unidades responsáveis pelas ações relativas à saúde mental.
Diário Oficial Estado SP 10/06/05

Rio Tietê
Esse é um dos maiores problemas de SP: a água. A água dos paulistanos vem em grande parte do sul de MG. A água na RMSP vem de lá e pouco foi feito para despoluir o Tietê. O fato é que foi feita uma estação trat esgoto (ETE) que opera a menos de 10% porque não foram feitas as ligações. Enquanto isso, outros locais do estado já começam a atingir mais de 50% de tratamento de esgoto...
A impermeabilização do solo, a falta de cuidado com o Tietê nestes quase 16 anos de governo tucano-urubu estão aí, para qq um ver...
1990/05 Cândido Vaccarezza PT
Constituição de CPI, composta por 9 (nove) membros, com a finalidade de , no prazo de 90 (noventa) dias, investigar os procedimentos administrativos, o empréstimo realizado, os contratos aditivos, a execução, o planejamento e expectativa de gastos e a adequação ambiental das obras do rebaixamento da calha do Rio Tietê.
DOE-SP 10/06/05

2372/05 Maria Lúcia Prandi PT
Constituição de uma CPI, composta por 9 (nove) deputados, com a finalidade de, no prazo de 90 (noventa) dias, investigar o IPESP, acerca da destinação das contribuições obtidas por esse instituto mediante desconto em folha de pagamento de funcionários que ocupam cargos em comissão nesta Casa de Leis, bem como apurar as circunstâncias em que ocorrem as doações de imóveis do instituto e proceder a criteriosa análise dos contratos de prestação de serviços por ele firmados nos últimos anos.
D.O 09/07/05

3012/05 Romeu Tuma PMDB
"Constituição de uma CPI, composta por 9 (nove) Deputados, com a finalidade de, no prazo de 90 (noventa) dias, investigar a atuação do árbitro Edílson Pereira de Carvalho, de outros árbitros e de empresários acusados de integrarem o suposto esquema de manipulação de resultados de partidas do Campeonato Paulista e outros jogos, com o objetivo de lucrar com apostas ilegais em ""sites"" e em outros ambientes, conforme investigação conduzida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, onde são acusados da prática do crime de estelionato, induzimento à especulação, crime contra a economia popular e falsidade ideológica, bem como os problemas atinentes ao futebol no Estado de São Paulo, sua prática esportiva, a gestão dos clubes e da Federação Paulista de Futebol, nos últimos 5 (cinco) anos."
D.O. E. 30/09/05

3314/05 Vinicius Camarinha PSB .
Constituição de CPI, composta por 9 deputados coma finalidade de no prazo de 90 dias, apurar a atual situação do Sistema Ferroviário do Estado de forma a aquilatar a viabilidade de ser retomada pelo Estado,a atividade do setor ferroviário, tanto para tyransporte de cargas, como para passageiros.
D.O 18/10/05

3.268/05 Enio Tatto PT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de. No prazo de 90 dias, investigar as irregularidades ocorridas na execução do trecho oeste do Rodoanel Metropolitano do Estado de São Paulo, desde a elaboração do seu projeto básico até a conclusão de sua execução.
D.O.E. 02/11/05
O Rodoanel é um fiasco. Nem metade dele ficou pronto, em quase 16 anos de governo. Tentaram, na era FHC, fazer o projeto sem EIA-Rima, sem adequações à legislação... Além disso, superfaturaram ao extremo, ao ponto de haver denúncias de malversação.
Esta obra é fundamental para desafogar, pelo menos por alguns anos, Sampa. Ninguém consegue andar e caminhões pesados andam pelas marginais por falta de opção.
É um apagão dos transportes!


3515/05 José Bittencourt PDT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar denúncias sobre contaminações ambientais.
D.O 30/11/05

3515/05 José Bittencourt PDT
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar denúncias sobre contaminações ambientais.
D.O. E. 30/11/05

3581/05 Ana Martins e Nivaldo Santana PCdoB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar as condições atuais do Trabalho Rural no Estado.
D.O. E. 02/12/05

3.935/05 Carlos Neder PT
Constituição de CPI, composta por 5 deputados, com a finalidade de, no prazo de 180 dias, investigar eventuais ilícitos administrativos e criminais cometidos por agentes públicos e particulares nos serviços médicos, de lacração e de credenciamento de auto – escolas no DETRAN e POUPATEMPO.
D.O. E. 20/12/05

3.936/05 Simão Pedro PT
Constituição de CPI, composta por 9 deputados, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar as denúncias de irregularidades na aquisição de apartamentos da CDHU.
D.O 20/12/05
Obs: este é o segundo pedido de CPI arquivado. Esta semana, mais uma vez, mesmo com o MP abrindo processo contra o Líder tucano-urubu, Bragatto, foi adiada para o segundo semestre de 2008 investigações por parte do legislativo.

365/06 Roberto Felício e Enio Tatto PT
Constituição de CPI, composta por 9 deputados, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar as denúncias de irregularidades na cessão de fazenda de 87 hectares localizada em Lorena, à rede católica "Canção Nova"
D.O 24/02/06

429/06 Renato Simões PT
Constituição de CPI, composta por 9 deputados, com a finalidade de, investigar irregularidades ocorridas nos contratos de publicidade e propaganda entre o Banco Nossa Caixa e as Agências de Publicidade Colucci & Associados Propaganda Ltda e Full Jazz Comunicação e Publicidade.


1.736/06 Romeu Tuma PMDB
Constituição de CPI, composta por 9 membros, com a finalidade de, no prazo de 90 dias, investigar o direcionamento indevido de recursos financeiros de órgãos e empresas do Governo do Estado, tais como Banco Nossa Caixa, Sabesp, Prodesp, CDHU, Dersa entre outras, através de gastos de publicidade, para favorecer jornais, revistas e programas de rádio e televisão em troca de apoio político nas eleições municipais de 2004 e na ALESP.
D.O.E. 26/04/06

Conivência com a corrupção
O governo do PSDB tem sido conivente com a corrupção. Um dos primeiros gestos de FHC ao assumir a Presidência, em 1995, foi extinguir, por decreto, a Comissão Especial de Investigação, instituída no governo Itamar Franco e composta por representantes da sociedade civil, que tinha como objetivo combater a corrupção. Em 2001, para impedir a instalação da CPI da Corrupção, FHC criou a Controladoria-Geral da União, órgão que se especializou em abafar denúncias.
Além do engavetador-geral da União, o PSDB criou uma estrutura e não lhe deu funcionários. Era para inglês ver... O fato é que todas os setores de investigação foram brecados, não tinham autorização para fiscalizar, punir e orientar. São milhares de processos rodando hoje na CGU e no TCU, com cifras de dezenas de bilhões de reais: convênios, licitações, contratos irregulares...

O escândalo do Sivam
O contrato para execução do projeto Sivam foi marcado por escândalos. A empresa Esca, associada à norte-americana Raytheon, e responsável pelo gerenciamento do projeto, foi extinta por fraudes contra a Previdência. Denúncias de tráfico de influência derrubaram o embaixador Júlio César dos Santos e o ministro da Aeronáutica, Brigadeiro Mauro Gandra.
Isso sem falar na questão militar, estratégica e da Amazônia...
É um escândalo barato, menor do que a casa dos bilhões, ha ha ha!

A farra do Proer
O Proer demonstrou, já em 1996, como seriam as relações do governo FHC com o sistema financeiro. Para FHC, o custo do programa ao Tesouro Nacional foi de 1% do PIB. Para os ex-presidentes do BC, Gustavo Loyola e Gustavo Franco, atingiu 3% do PIB. Mas para economistas da Cepal, os gastos chegaram a 12,3% do PIB, ou R$ 111,3 bilhões, incluindo a recapitalização do Banco do Brasil, da CEF e o socorro aos bancos estaduais.
Devido à sobrevalorização excessiva e prolongada do real, até 1999, por motivos eleitorais, tivemos um socorro ao sistema financeiro que custou centenas de bilhões de dólares. O nosso endividamento aumentou e com isso o pagamento do serviço da dívida...

Propina na privatização
A privatização do sistema Telebrás e da Vale do Rio Doce foi marcada pela suspeição. Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-caixa de campanha de FHC e do senador José Serra e ex-diretor da Área Internacional do Banco do Brasil, é acusado de pedir propina de R$ 15 milhões para obter apoio dos fundos de pensão ao consórcio do empresário Benjamin Steinbruch, que levou a Vale, e de ter cobrado R$ 90 milhões para ajudar na montagem do consórcio Telemar.
Vale do Rio Doce foi doada por 3,3bi. Hoje a CVRD vale U$100 bi, a empresa mais valiosa da América Latina...

Emenda da reeleição
O instituto da reeleição foi obtido por FHC a preços altos. Gravações revelaram que os deputados Ronivon Santiago e João Maia, do PFL do Acre, ganharam R$ 200 mil para votar a favor do projeto. Os deputados foram expulsos do partido e renunciaram aos mandatos. Outros três deputados acusados de vender o voto, Chicão Brígido, Osmir Lima e Zila Bezerra, foram absolvidos pelo plenário da Câmara.
O Congresso Nacional era um rolo compressor para os interesses do governo. Muito diferente do que foi o congresso desde 2003, o combate à corrupção não é impedido, abafado...
No caso da compra de votos para a reeleição tem uma coisa pior: eles mudaram as regras na ocorrência do jogo para beneficiar PSDB PFL


Grampos telefônicos
Conversas gravadas de forma ilegal foram um capítulo à parte no governo FHC. Durante a privatização do sistema Telebrás, grampos no BNDES flagraram conversas de Luiz Carlos Mendonça de Barros, então ministro das Comunicações, e André Lara Resende, então presidente do BNDES, articulando o apoio da Previ para beneficiar o consórcio do banco Opportunity, que tinha como um dos donos o economista Pérsio Arida, amigo de Mendonça de Barros e de Lara Resende. Até FHC entrou na história, autorizando o uso de seu nome para pressionar o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil.
Essa é a origem do orelhudo...
Quem ajudou a enriquecer ainda mais o dono da Telmex está na privataria das telecomunicações...

TRT paulista
A construção da sede do TRT paulista representou um desvio de R$ 169 milhões aos cofres públicos. A CPI do Judiciário contribuiu para levar o juiz Nicolau dos Santos Neto, ex-presidente do Tribunal, para a cadeia e para cassar o mandato do Senador Luiz Estevão (PMDB-DF), dois dos principais envolvidos no caso.
O juiz Lalau e Luís Estevão já são frequentadores assíduos da justiça...
O que o PSD/PFL tem a ver com isso. Luís Estevão era aliado forte, no DF, do governo FHC.
TRT - pergunte qual era o partido de preferência do Lalau...ha ha ha
Como é que ele conseguiu todo aquele dinheiro?

Os ralos do DNER
O DNER foi o principal foco de corrupção no governo de FHC. Seu último avanço em matéria de tecnologia da propina atende pelo nome de precatórios. A manobra consiste em furar a fila para o pagamento desses títulos. Estima-se que os beneficiados pela fraude pagavam 25% do valor dos precatórios para a quadrilha que comandava o esquema. O órgão acabou sendo extinto pelo governo.
Não precisamos entrar na concessão de rodovias paulistas, não é?
Vai que a gente encontra sobrenomes conhecidos entre os donos das concessionárias, não é?
Ou já substituíram por laranjas? ha ha ha

O "caladão"
O Brasil calou no início de julho de 1999 quando o governo FHC implementou o novo sistema de Discagem Direta a Distância (DDD). Uma pane geral deixou os telefones mudos. As empresas que provocaram o caos no sistema haviam sido recém-privatizadas. O "caladão" provocou prejuízo aos consumidores, às empresas e ao próprio governo. Ficou tudo por isso mesmo.
Diga-se de passagem, hoje se gasta mais em telecomunicações do que em ítens como educação... no nível familiar, pelo menos!
Esse foi o prenúncio do verdadeiro apagão!

Mega-Desvalorização do real
FHC se reelegeu em 1998 com um discurso que pregava "ou eu ou o caos". Segurou a quase paridade entre o real e o dólar até passar o pleito. Vencida a eleição, teve de desvalorizar a moeda.
Há indícios de vazamento de informações do Banco Central. O deputado Aloizio Mercadante, do PT, divulgou lista com o nome dos 24 bancos que lucraram muito com a mudança cambial e outros quatro que registraram movimentação especulativa suspeita às vésperas do anúncio das medidas.
O resultado foi uma queda vertiginosa do PIB, aumento da dívida pública, queda da produção industrial (mix importação-exportação mudou precipitadamente...), além do estelionato eleitoral, já que ele fez o que nossos economista e Ciro Gomes falaram duratne toda a campanha!
FHC estava morto politicamente, porém os escândalos continuaram até o fim de seu governo desastroso.

O caso Marka/FonteCindam
Durante a desvalorização do real, os bancos Marka e FonteCindam foram socorridos pelo Banco Central com R$ 1,6 bilhão. O pretexto é que a quebra desses bancos criaria risco sistêmico para a economia. Chico Lopes, ex-presidente do BC, e Salvatore Cacciola, ex-dono do Banco Marka, estiveram presos, ainda que por um pequeno lapso de tempo. Cacciola retornou à sua Itália natal, onde vive tranqüilo.
Está relacionado indiretamente ao Proer e ao Chico Lopes, que ficou no BC justamente para operar o mega-lucro dos bancos....


Base de Alcântara
O governo FHC enfrenta resistências para aprovar o acordo de cooperação internacional que permite aos Estados Unidos usarem a Base de Lançamentos Espaciais de Alcântara (MA).
Os termos do acordo são lesivos aos interesses nacionais. Exemplos: áreas de depósitos de material americano serão interditadas a autoridades brasileiras.
O acesso brasileiro a novas tecnologias fica bloqueado e o acordo determina ainda com que países o Brasil pode se relacionar nessa área.
Diante disso, o PT apresentou emendas ao tratado – todas acatadas na Comissão de Relações Exteriores da Câmara.
Lembrar: anos depois, houve um grande acidente que vitimou mais de 10 técnicos super-qualificados dessa base, por falta de pessoal, falta de equipamentos de segurança...
Como eles íam terceirizar a base para os norte-americanos (Cháves e seu ultimato, esqueçam bobagens...), tudo foi sucateado!
Esta é a soberania tucana!

Biopirataria oficial
Antigamente, os exploradores levavam nosso ouro e pedras preciosas. Hoje, levam nosso patrimônio genético.
O governo FHC teve de rever o contrato escandaloso assinado entre a Bioamazônia e a Novartis, que possibilitaria a coleta e transferência de 10 mil microorganismos diferentes e o envio de cepas para o exterior, por 4 milhões de dólares.
Sem direito ao recebimento de royalties. Como um único fungo pode render bilhões de dólares aos laboratórios farmacêuticos, o contrato não fazia sentido.
Apenas oficializava a biopirataria.
Para FHC e os neoliberais, não há necessidade de haver soberania nacional. Tem que fazer que nem a música do Raul Seixas: privatiza, doa e terceiriza tudo!
Logo, biotecnologia não é coisa para o BR se meter, deixa os outros levarem, se quiserem até alugamos a Amazônia, já tem até o SIVAM... ha ha ha

O fiasco dos 500 anos
As festividades dos 500 anos de descobrimento do Brasil, sob coordenação do ex-ministro do Esporte e Turismo, Rafael Greca (PFL-PR), se transformaram num fiasco monumental.
Índios e sem-terra apanharam da polícia quando tentaram entrar em Porto Seguro (BA), palco das comemorações. No dia 22 de abril de 2000 o que se viu foram os massacrados pelas elites mais uma vez apanhando. Nunca se esquecer do índio Galdino e das centenas que morrem todos os anos por conflitos de terra com os tucanos-urubu...
O filho do presidente, Paulo Henrique Cardoso, é um dos denunciados pelo Ministério Público de participação no episódio de superfaturamento da construção do estande brasileiro na Feira de Hannover, em 2000.
Não bastava o filho ilegítimo do FHC bancado pela Globo na Espanha e ainda tem mais um filho metido em superfaturamento!
Que família, não é?

Eduardo Jorge, um personagem suspeito
Eduardo Jorge Caldas, ex-secretário-geral da Presidência, é um dos personagens mais sombrios que freqüentou o Palácio do Planalto na era FHC.
Suspeita-se que ele tenha se envolvido no esquema de liberação de verbas para o TRT paulista e em superfaturamento no Serpro, de montar o caixa-dois para a reeleição de FHC, de ter feito lobby para empresas de informática, e de manipular recursos dos fundos de pensão nas privatizações.
Também teria tentado impedir a falência da Encol.
Substituiu o Serjão, será? Ninguém sabe, porém acho que o gordo era insubstituível, tanto é que FHC só decaiu depois de sua morte...

Drible na reforma tributária
O PT participou de um acordo, do qual faziam parte todas as bancadas com representação no Congresso Nacional, em torno de uma reforma tributária destinada a tornar o sistema mais justo, progressivo e simples.
A bancada petista apoiou o substitutivo do relator do projeto na Comissão Especial de Reforma Tributária, deputado Mussa Demes (PFL-PI). Mas o ministro da Fazenda, Pedro Malan, e o Palácio do Planalto impediram a tramitação.
Lembrar que o governo Lula já reformulou as alíquotas do IR, reduziu IPI e ICMS para muitos produtos, aprovou a lei geral das MPEs, aumentou o FPM...
Que diferença!

Rombo transamazônico na Sudam
O rombo causado pelo festival de fraudes transamazônicas na Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia, a Sudam, no período de 1994 a 1999, ultrapassa R$ 2 bilhões.
As denúncias de desvios de recursos na Sudam levaram o ex-presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA) a renunciar ao mandato. Ao invés de acabar com a corrupção que imperava na Sudam e colocar os culpados na cadeia, o presidente Fernando Henrique Cardoso resolveu extinguir o órgão.
O PT ajuizou ação de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal contra a providência do governo.
Deixou de apoiar o desenvolvimento da região Norte, permitiu bio-pirataria, atacou índios e fez o SIVAM... Depois dizem que não queriam entregar a Amazônia...
E cadê a CGU? Cadê a apuração de responsabilidades?

Os desvios na Sudene
Foram apurados desvios de R$ 1,4 bilhão em 653 projetos da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste, a Sudene. A fraude consistia na emissão de notas fiscais frias para a comprovação de que os recursos recebidos do Fundo de Investimentos do Nordeste (Finor) foram aplicados.
Cadê a CGU? Cadê o TCU? Cadê a PF?
Como no caso da Sudam, FHC decidiu extinguir o órgão. O PT também questionou a decisão no Supremo Tribunal Federal.

Deixou de apoiar o desenvolvimento do NE. É por isso que 70% dos nordestinos votam em Lula! Ao recriar a Sudam e a SUDENE, Lula pensa em um país justo, mais igual em oportunidades e fraterno.

Calote no Fundef
O governo FHC desrespeita a lei que criou o Fundef. Em 2002, o valor mínimo deveria ser de R$ 655,08 por aluno/ano de 1ª a 4ª séries e de R$ 688,67 por aluno/ano da 5ª a 8ª séries do ensino fundamental e da educação especial. Mas os valores estabelecidos ficaram abaixo: R$ 418,00 e R$ 438,90, respectivamente.
O calote aos estados mais pobres soma R$ 11,1 bilhões desde 1998.
O resultado está aí: toda a educação básica piorou, crianças não sabem ler, jovens não conseguem trabalho e não há professores...

Abuso de MPs
Enquanto senador, FHC combatia com veemência o abuso nas edições e reedições de Medidas Provisórias por parte José Sarney e Fernando Collor. Os dois juntos editaram e reeditaram 298 MPs. Como presidente, FHC cedeu à tentação autoritária.
Editou e reeditou, em seus dois mandatos, 5.491medidas.
O PT participou ativamente das negociações que resultaram na aprovação de emenda constitucional que limita o uso de MPs.

Acidentes na Petrobras
Por problemas de gestão e falta de investimentos, a Petrobras protagonizou uma série de acidentes ambientais no governo FHC que viraram notícia no Brasil e no mundo.
A estatal foi responsável pelos maiores desastres ambientais ocorridos no País nos últimos anos. Provocou, entre outros, um grande vazamento de óleo na Baía de Guanabara, no Rio, outro no Rio Iguaçu, no Paraná. Uma das maiores plataformas da empresa, a P-36, afundou na Bacia de Campos, causando a morte de 11 trabalhadores.
A Petrobras também ganhou manchetes com os acidentes de trabalho em suas plataformas e refinarias que ceifaram a vida de centenas de empregados.
Reichstull queria a Petrobrax... Nós temos a Petrobras, brasileira, batendo recordes, comprando navios brasileiros e crescendo...
Que diferença, hein? Ver escândalos 20 a 23.

Apoio a Fujimori
O presidente FHC apoiou o terceiro mandato consecutivo do corrupto ditador peruano Alberto Fujimori, um sujeito que nunca deu valor à democracia e que fugiu do País para não viver os restos de seus dias na cadeia.
Não bastasse isso, concedeu a Fujimori a medalha da Ordem do Cruzeiro do Sul, o principal título honorário brasileiro.
O Senado, numa atitude correta, acatou sugestão apresentada pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR) e cassou a homenagem.
Não se esqueçam, Fujimori fugiu para o Japão e lá se encontra. É um dos amigos neoliberais do FHC e de sua turma...

Desmatamento na Amazônia
Por meio de decretos e medidas provisórias, o governo FHC desmontou a legislação ambiental existente no País.
As mudanças na legislação ambiental debilitaram a proteção às florestas e ao cerrado e fizeram crescer o desmatamento e a exploração descontrolada de madeiras na Amazônia.
Houve aumento dos focos de queimadas. A Lei de Crimes Ambientais foi modificada para pior.
No governo Lula houve redução em mais de 20% nas queimadas, com aumento da vigilância e das punições.
Isso complementa aquilo que falei da Amazônia antes...

Os computadores do FUST
A idéia de equipar todas as escolas públicas de ensino médio com 290 mil computadores se transformou numa grande negociata. Os recursos para a compra viriam do Fundo de Universalização das Telecomunicações, o Fust.
Mas o governo ignorou a Lei de Licitações, a 8.666. Além disso, fez megacontrato com a Microsoft, que teria, com o Windows, o monopólio do sistema operacional das máquinas, quando há softwares que poderiam ser usados gratuitamente.
A Justiça e o Tribunal de Contas da União suspenderam o edital de compra e a negociata está suspensa.
Hoje, os computadores são vendidos ao redor de 1 mil reais e há propostas de lap tops para alunos de escolas ao valor médio de U$100...

Arapongagem
O governo FHC montou uma verdadeira rede de espionagem para vasculhar a vida de seus adversários e monitorar os passos dos movimentos sociais.
Essa máquina de destruir reputações é constituída por ex-agentes do antigo SNI ou por empresas de fachada. Os arapongas tucanos sabiam da invasão dos sem-terra à propriedade do presidente em Buritis, em março deste ano, e o governo nada fez para evitar a operação.
Eles foram responsáveis também pela espionagem contra Roseana Sarney.

O esquema do FAT
A Fundação Teotônio Vilela, presidida pelo ex-presidente do PSDB, senador alagoano Teotônio Vilela, e que tinha como conselheiro o presidente FHC, foi acusada de envolvimento em desvios de ..